Conectado com

Nutrição

Alimentação natural e úmida: nutrição pet passa por uma revolução lenta, mas em curso

Publicado

em

Foto: Shutterstock

O mercado de alimentos para animais de estimação, popularmente conhecido como petfood, está passando por um crescimento impressionante nos últimos anos, impulsionado principalmente pela mudança no estilo de vida e atitudes dos tutores de pets. De acordo com o relatório da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), de 2021 para 2022 o faturamento do setor aumentou 18,3%, chegando a R$ 33,5 bilhões.

O relatório mostra ainda que o petfood representa 80% do mercado pet brasileiro, que inclui também o pet care e o pet vet. Este setor emerge como um dos mais dinâmicos e em evolução da indústria global, abrindo espaço para inovações e tendências que refletem a crescente importância dos animais de estimação nas vidas das pessoas.

Tanweer Alam

Mas qual a força propulsora desse fenômeno? A pandemia de Covid-19 teve um impacto significativo em muitos setores econômicos, mas para o mercado de petfood ela representou uma mudança de paradigma. “Existem dois principais fatores que justificam o crescimento dessa indústria. O primeiro se deve ao isolamento da pandemia de Covid-19, que proporcionou um aumento na adoção e compra de animais de estimação”, revela Tanweer Alam, diretor global de Marketing da Kemin Nutrisurance.

“O segundo tópico importante é o fator demográfico. Com a expansão das cidades e maior número de pessoas saindo das zonas rurais para viver em grandes centros, podemos observar a necessidade das pessoas em ter companhia, principalmente por parte dos mais jovens. Houve um aumento simbólico de tutores na faixa dos 20 anos, o que resultou também em maior número de adoção de gatos, por exemplo. Isso levou a um notório aumento de alimentos úmidos para gatos”, enfatiza.

Humanização

Os próximos anos parecem mais promissores para a inovação de produtos úmidos, principalmente para gatos. A humanização dos animais de estimação revela-se como um fator crucial nesse cenário. Os tutores desejam proporcionar aos seus animais uma alimentação que se assemelhe à sua própria dieta.

Durante a palestra “Petfood: mercados e tendências globais”, realizada em um seminário técnico, Tanweer Alam evidenciou que os tutores estão cada vez mais preocupados com a qualidade e a salubridade dos alimentos que oferecem a seus animais, preferindo opções naturais e livres de ingredientes artificiais. “Os tutores querem que seus bichos se alimentem da mesma maneira que eles se alimentam. Percebemos os alimentos úmidos crescendo no petfood justamente por tutores desejarem dar de comer aos seus pets algo semelhante ao que eles consomem”, apontou o palestrante no evento que ocorreu em Chapecó, SC, nos dias 20 e 21 de fevereiro.

De acordo com o palestrante, embora nos Estados Unidos a tendência para ingredientes naturais seja evidente, representando cerca de 80% da composição dos alimentos para animais de estimação, no Brasil essa adoção ainda é incipiente, com apenas 7% dos alimentos produzidos com ingredientes naturais.

O alto custo dos ingredientes naturais representa um desafio para a indústria, mas também abre oportunidades para produtos mais saudáveis e nutritivos. A expectativa é que, no futuro, o mercado brasileiro siga a tendência global em direção a alimentos mais naturais, mesmo que isso ocorra gradualmente. “Não acredito que essa mudança aconteça rapidamente no Brasil, pois é um fator associado unicamente ao custo. Se você começa a adicionar ingredientes naturais o preço aumentará ainda mais, então ficaria difícil para o cliente realizar a compra”, salienta. “Porém, no futuro, se olharmos dados em todos os países da Europa e também nos Estados Unidos, podemos observar o constante crescimento do ‘natural’ no petfood, então acredito que no Brasil acontecerá o mesmo”, observa o profissional.

Apesar do alto custo, por exemplo, a produtividade e eficácia do antioxidante natural é significativamente maior. “Traz diversos benefícios tanto na preservação do alimento como para a saúde do animal. Na Europa já observamos uma grande adesão à composição híbrida, ou seja, mistura de ingredientes sintéticos e naturais. Então há chances de vermos essa tendência acontecendo em breve no Brasil, antes mesmo da adesão integral do natural”, pontua.

Foto: Shutterstock

Novos produtos direcionam o crescimento

O mercado brasileiro de suplementos para cães e gatos está experimentando um crescimento excepcional devido à crescente demanda por produtos que atendam às necessidades específicas dos animais de estimação. Segundo a Kemin Nutrisurance, multinacional do setor, nos últimos cinco anos, houve a introdução de diversos novos produtos em alimentos secos para cães (+7%) e alimentos secos para gatos (+13%).

Esses números indicam uma tendência positiva e um cenário promissor para a indústria de petfood no Brasil. Ainda conforme Tanweer Alam, alimentos secos e petiscos para cães representam quase 50% do total de novas atividades de lançamento na América Latina.

Já a Europa Oriental é a região mais ativa tanto para comida úmida para cães (18%) como para comida úmida para gatos (34%). À medida que o mercado do petfood continua a evoluir, espera-se que novas tendências e inovações surjam. A personalização, sustentabilidade e inovação em ingredientes serão grandes impulsionadores do crescimento do mercado, consolidando ainda mais o papel dos animais de estimação nas vidas das pessoas e na economia brasileira.

Confira aqui a edição completa da Revista O Presente Pet!

Fonte: O Presente Pet

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.