Conectado com

Nutrição

Vantagens e desafios da farinha de origem animal

Publicado

em

Foto: Shutterstock

As farinhas de origem animal desempenham um papel crucial na indústria de petfood, contribuindo significativamente para a composição nutricional e econômica dos alimentos para animais de estimação. De acordo com Ricardo Vasconcellos, médico-veterinário e professor na Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, essas farinhas representam uma parte substancial da produção global de alimentos para animais, com o Brasil desempenhando um papel relevante nesse cenário.

Durante seminário técnico, em que profissionais do setor discutiram novas ferramentas nutricionais, realizado nos dias 20 e 21 em Chapecó, SC, foram compartilhados dados interessantes pelo professor Vasconcellos. Anualmente, cerca de 25 milhões de toneladas de farinha são produzidas globalmente, e o Brasil contribui significativamente, representando entre 15% e 20% desse montante. O profissional destacou ainda que 32% das formulações de alimentos para animais de estimação incorporam farinhas de origem animal. “Estima-se que entre 15% e 20% de toda a produção mundial de farinhas ocorre no Brasil. Esse alto volume de produção e consumo reflete a importância das farinhas de origem animal na indústria de alimentos para pets” mencionou.

Professor da Universidade Estadual de Maringá e médico-veterinário Ricardo Vasconcellos

O professor destacou a relevância de diversas matérias-primas na nutrição de animais de estimação, indo além das farinhas de origem animal. Elementos como o glúten de milho e o farelo de soja desempenham papéis importantes nesse contexto. No entanto, Vasconcelos salientou que observa uma crescente inclusão de farinhas de origem animal, especialmente em alimentos super premium. Este aumento é atribuído à necessidade de elevar os níveis de proteína nessas formulações, ao mesmo tempo em que contribui para a otimização de custos. “Além das farinhas de origem animal, outras matérias-primas desempenham um papel crucial na nutrição dos animais de estimação, como o glúten de milho e o farelo de soja.

Porém, o aumento na inclusão das farinhas de origem animal é observado especialmente em alimentos super premium devido ao aumento da proteína nas formulações e à contribuição para a redução de custos”, afirmou o professor. Os benefícios das farinhas de origem animal no petfood são diversos, pois além de um custo acessível, possuem qualidade e são ricas em nutrientes necessários para animais como cães e gatos. “Essas farinhas são ricas em nutrientes essenciais, como proteínas, aminoácidos e ácidos graxos, contribuindo para a composição nutricional adequada dos alimentos. Além disso, possuem uma qualidade aceitável e ajudam a reduzir custos na formulação dos alimentos para pets” informou Vasconcellos.

Há preocupações

No entanto, existem desafios e limitações associados ao uso de farinhas de origem animal na indústria de petfood. O palestrante destacou que “uma das principais dificuldades é a avaliação da qualidade desses ingredientes, tanto em termos nutricionais quanto em relação à presença de contaminantes”. Questões ambientais também são levantadas, mas é ressaltado que grande parte desses ingredientes é proveniente de resíduos de frigoríficos, o que impacta positivamente a hierarquia de uso de matérias-primas, destaca Ricardo.

A preocupação com contaminantes, como metais pesados, aminas biogênicas e microbiológicos (coliformes, Salmonella spp.) também é evidenciada pelo médico-veterinário. “A presença desses contaminantes pode afetar a qualidade e segurança dos alimentos para animais de estimação, exigindo um cuidadoso trabalho com os fornecedores de matéria-prima”, destacou.

De acordo com o professor, um dos contaminantes que preocupam são as aminas biogênicas, substâncias formadas a partir da descarboxilação de aminoácidos por ação microbiana. A presença dessas aminas pode ser influenciada por diversos fatores, como pH, temperatura e tempo. Métodos de análise, como cromatografia líquida e espectroscopia, são utilizados para detectar a presença desses contaminantes nos alimentos para pets.

Ricardo Vasconcellos afirmou que, embora as farinhas de origem animal sejam importantes na indústria de petfood, é crucial enfrentar os desafios relacionados à qualidade e segurança desses ingredientes. O acompanhamento constante e análises rigorosas são essenciais para garantir a qualidade e segurança dos alimentos para animais de estimação, proporcionando uma dieta nutricionalmente balanceada e segura para os pets.

Conheça as principais farinhas na nutrição animal

A Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA) destaca diversas farinhas essenciais na nutrição animal. Cada uma oferece características nutricionais diferentes, contribuindo para a saúde e o bem-estar dos animais.

CARNE E OSSO DE BOVINOS

Este produto, triturado em pó e semi desengordurado, é resultado do processamento de resíduos do abate de bovinos. Composto principalmente por ossos, cárneos, aparas e vísceras, é rico em proteína, cálcio, fósforo e gordura.

VÍSCERAS DE AVES

Resultante do cozimento de resíduos do abate de aves, essa farinha triturada e semi desengordurada inclui partes cárneas, vísceras, cabeças, pés e demais órgãos, excluindo penas e sangue. Valorizada pela sua alta palatabilidade, é uma fonte rica em proteína e gordura para rações de cães, gatos e peixes.

CARNE E OSSO DE SUÍNOS

Semelhante à de bovinos, esta farinha, triturada em pó e semi desengordurada, provém do processamento de resíduos do abate de suínos. Contendo partes cárneas, vísceras e ossos suínos, oferece nutrientes essenciais como proteína, cálcio, fósforo e gordura.

SANGUE

Obtida pelo cozimento e secagem do sangue animal, esta farinha triturada e em pó, coletada em frigoríficos, destaca-se pelo alto valor proteico. É uma alternativa vantajosa em rações para animais, fornecendo densidade proteica e substituição de fontes vegetais.

PENAS

Resultado da hidrólise das penas de aves provenientes do abate, esta farinha triturada em pó oferece alto valor proteico. É uma opção economicamente viável na formulação de rações para animais monogástricos, como cães e gatos.

PEIXES

Obtida pelo desengorduramento e secagem térmica de peixes, esta farinha triturada em pó é rica em proteína, apresentando excelente digestibilidade e palatabilidade. Além disso, pode conter ácidos graxos essenciais, como ômegas 3, 6 e 9.

Confira aqui a edição completa da Revista O Presente Pet!

Fonte: O Presente Pet

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.